Vamos Dar Uma Ajudinha Ao Meio Ambiente?

Guta Schneider 01/03/2011 2

Você sabia que jogar o óleo de cozinha no esgoto, em terrenos baldios ou no lixo prejudica, e muito, o meio ambiente?

Imagem: Idea go / FreeDigitalPhotos.netSe não houver um sistema de tratamento de esgotos, o óleo da sua fritura vai acabar se espalhando na superfície de rios e represas, prejudicando plantas e animais ou ficará no solo, decompondo-se e produzindo gases que ajudarão a intensificar o efeito estufa.

Podemos colaborar para diminuir o impacto do descarte de óleo de cozinha usado no meio ambiente fabricando, com ele, o sabão caseiro. Além de ser ótimo para lavar louças e roupas é também econômico. Segue aqui uma receita bastante simples desenvolvida por alunos do Curso de Meio Ambiente da Escola Técnica Estadual Getúlio Vargas em São Paulo.

Ingredientes

  • 01 litro de óleo usado e coado

  • 200 ml de soda cáustica à 50%

  • 50 ml de álcool

  • 30 ml de essência e corante (opcional)

  • 50 g de fubá para dar mais suavidade ao sabão (opcional)

  • pote de plástico com tampa (pode ser um pote de sorvete vazio)

Preparo

Despeje o óleo no pote, acrescente a soda cáustica, misturando com movimentos firmes sem parar. Caso deseje colocar a essência, o corante e o fubá, faça-o nesta etapa. Por último adicione o álcool (mexendo sem parar). A mistura, então, começará a endurecer e sua temperatura aumentará muito. Tome cuidado!

Espere a mistura esfriar e endurecer completamente para retirar do pote e você poderá cortá-la em barras. Se preferir, use formas de diversos tamanhos.

Minha dica: depois de cortar o sabão em barras, deixe-o descansar por alguns dias em um pote sem tampa. O excesso de soda cáustica que por ventura houver irá evaporar e o sabão não será prejudicial à sua pele.

AVISO IMPORTANTE: Não utilize óleo da fritura de peixes e frutos do mar. Coe o óleo para separar as impurezas. Utilize óculos protetores para os olhos e máscara para o nariz e a boca, pois os vapores resultantes da preparação são muito fortes. Não manipule os produtos químicos perto das crianças.

Já há alguns anos preparo meu sabão caseiro. Faço bem básico (sem corante ou essência) para a lavagem de louças e roupas. Com as roupas é excelente para tirar manchas e deixa o branco bem branco. No entanto, não recomendo muito seu uso com roupas de cor, pois acaba provocando um desbotamento prematuro. Na cozinha é excelente com os alumínios e o aço inox.

Você pode estar pensando que é bobagem dar-se a este trabalho pois você usa pouco óleo. No entanto, se pararmos para pensar na quantidade total de óleo de cozinha que é despejada na natureza por residências, bares e restaurantes todos os dias em uma cidade como São Paulo, por exemplo, teremos a compreensão de que se cada um fizer a sua parte, por mínima que seja, a soma de todos os esforços representará num importante resultado que beneficiará a todos nós.

Se você não tem tempo ou não deseja fabricar seu sabão em casa por quaisquer outras razões, pode levá-lo para reciclagem. O blog Páginas Verdes disponibiliza o endereço de vários postos de coleta em São Paulo e outras localidades.

2 Comments »

  1. mario alves duarte 24/04/2012 at 23:15 - Reply

    acho que esta forma de reaproveitamento do residuo de oleo fica errada pois estaremos poluindo o meio ambiente com mais dois ingredientes ou seja alem do oleo que e muito prejudicial vem tambem a soda,ai fica duola poluiçao correto seria usar o oleo para biodisel

    • Guta Schneider 25/04/2012 at 10:44 - Reply

      Olá, Mário!

      Agradecemos seu questionamento, uma vez que muitas pessoas podem ter esta mesma dúvida.

      Vamos esclarecer, então, a questão: quando misturamos a soda cáustica com o óleo de cozinha ocorre uma reação química denominada saponificação. Essa reação transforma as duas substâncias em uma terceira que é o sabão, ou seja, a substância resultante da reação química tem propriedades totalmente distintas das substâncias que lhe deram origem. A soda cáustica não é mais soda cáustica e o óleo deixa de ser óleo.

      O sabão produzido desta forma, por sua vez, é totalmente biodegradável, ou seja, quando em contato com a água, tem suas moléculas quebradas por enzimas produzidas pelos microorganismos que nela vivem. Esse ciclo é diferente do que ocorre com os detergentes que são produzidos a partir de substâncias originadas do petróleo. Eles não são biodegradáveis e acabam por se acumular na superfície da água em forma de espuma, ao contrário do sabão.

      Há registros de que o processo de saponificação vem sendo utilizado pelo homem desde 2500 a.C. e, como você pôde perceber, é absolutamente seguro do ponto de vista ambiental.

      Quanto ao biodiesel, é uma alternativa interessante enquanto combustível, uma vez que polui menos, se comparado aos combustíveis fósseis. Porém, embora sua queima emita menos resíduos que o óleo diesel ou a gasolina, ele ainda lança poluentes na atmosfera, enquanto que a produção e utilização do sabão, como pudemos ver, não provoca danos ao meio ambiente. Esperamos ter esclarecido sua dúvida e nos colocamos à sua disposição!

      Um forte abraço,

      Equipe Guta Schneider

Leave A Response »

*